Arquivo da tag: kobo

UMA PROPOSTA MODESTA

Em recente painel na Câmara dos Deputados para discutir a questão da extensão da desoneração tributária constitucionalmente outorgada aos livros e ao papel de sua impressão (assim como ao papel para periódicos), delineou-se outra frente de discussão sobre a extensão da desoneração também para os leitores de livros eletrônicos.

Leitor Kobo. Todos os leitores baseados em e-ink têm praticamen.er as mesmas funcionalidades
Leitor Kobo. Todos os leitores baseados em e-ink têm praticamen.er as mesmas funcionalidades

Uma boa parte da discussão se deu em torno do projeto de lei do Senador Acir Gurgacz que, além de propor a desoneração do conteúdo (os livros eletrônicos), deseja estendê-la para os leitores digitais, em particular o Kindle e o Kobo, que enviaram representantes para a discussão.
As entidades do livro presentes no evento se declararam, todas, contrárias a essa extensão. A representante do SNEL, Amarylis Manole, declarou que a posição de sua entidade não era ser contra a desoneração, mas que não desejava misturar a desoneração do conteúdo com a dos leitores. Posição semelhante à manifestada pela presidente da CBL, Karine Pansa, “Não existe dúvida em relação à isenção do conteúdo, mas existe preocupação no que se refere ao suporte, que deve ser discutido de maneira mais ampla e menos rápida, em outro momento, de forma mais profunda”.

Kindl evolui, mas o rteclado, o e-touch e a iluminação. As funcionalidades são sempre as mesmas
Kindl evolui, mas o rteclado, o e-touch e a iluminação. As funcionalidades são sempre as mesmas

Ednilson Xavier, presidente da ANL, foi mais contundente: “Estamos dando um passo maior que a perna ao aceitar esta avalanche do livro digital”, afirmou. E terminou sua fala de forma objetiva, contra a desoneração do leitor digital e criticando especialmente os modelos proprietários como aqueles da Amazon e Apple. “A ANL concorda com o conteúdo digital isento, mas no que se refere aos aparelhos de leitura ela se preocupa com dois riscos: o arquivo digital ser refém de quem possui o software e o aparato tecnológico acabar por limitar o acesso ao conteúdo”.
São bem baratos, Muitos com tecnologia e-reader.  http://www.ebookbr.com/2011/11/e-os-e-readers-chineses.html
São bem baratos, Muitos com tecnologia e-reader.
http://www.ebookbr.com/2011/11/e-os-e-readers-chineses.html

Ou seja, todos a favor da desoneração do conteúdo e, salvo os representantes dos fabricantes e vendedores dos leitores, todos contra a extensão da desoneração para estes.

Ednilson Xavier foi quem mais se aproximou o cerne da questão, que se resume, simplesmente, na questão de tecnologias proprietárias.
Tentarei examinar mais de perto esses pontos antes de falar da minha modesta proposta.

A ANL, apesar de centrar nas tecnologias proprietárias, tem no fundo o receio de que os livros eletrônicos (e o comércio eletrônico em geral), acabem por colocar as livrarias físicas para fora do mercado.
Continue lendo UMA PROPOSTA MODESTA

AMAZON TENTA ATRAIR LIVRARIAS INDEPENDENTES – VENDENDO GUILHOTINAS?

A Amazon lançou dia 6 de novembro passado o programa Amazon Source, através do qual livrarias e outras lojas de varejo podem vender toda a linha Kindle (e-readers e tablets), além de acessórios, e em troca recebem 10% das vendas de livros feitas através desses aparelhos por um período de dois anos.

Na verdade o programa tem dois formatos: encomendar Kindles com 9% der desconto do preço oficial e 35% dos acessórios, ou receber 6% de desconto nos aparelhos e 30% nos acessórios e ganhar os tais 10% sobre as vendas de livros. Não conheço os porcentuais, mas essa segunda opção parece ser a existente aqui no Brasil, onde os leitores Kindle podem ser adquiridos na Livraria da Vila e no Ponto Frio.

Segundo Russ Grandinetti, Vice-Presidente da Amazon para o Kindle, citado pelo Publishers Weekly, o programa resulta do sucesso da experiência com a rede Waterstones, do Reino Unido, iniciado há dois anos. O Amazon Source foi testado com duas livrarias localizadas perto de sua sede em Seattle – a livraria do campus da University of Puget Sound, e uma livraria independente, JJ Books. Ambas, é claro, afirmaram no press release da Amazon que estavam felicíssimas com o acordo.

Mas a reação dos livreiros independentes do resto do país foi majoritariamente negativa. A newsletter da Publishers Weekly, a revista do mercado editorial dos EUA, diz que “centenas de livrarias já se apresentaram para participar do programa”, mas não cita nenhuma declaração destas.
Continue lendo AMAZON TENTA ATRAIR LIVRARIAS INDEPENDENTES – VENDENDO GUILHOTINAS?

INDEPENDENTES DOS EUA APROVAM CONVÊNIO DA ABA COM A KOBO

A American Bookstore Association (ABA), que congrega dos livreiros independentes dos EUA, anunciou que as livrarias que estão vendendo aparelhos da Kobo superaram em muito a venda de livros eletrônicos que fizeram quando a associação mantinha um acordo com a GoogleBooks, informa o 404 — Not Found

blacktroop.com

404

Page Not Found

It seems that the page you were trying to reach does not exist anymore, or maybe it has just moved. You can start again from the home or go back to previous page.
Digital Book World
.

As vendas, entretanto, ainda não contribuem significativamente para a receita das livrarias. A rede independente The Book Inc., com 12 lojas, vendeu 200 e-readers (130 Kobo Glo e o resto do modelo mini) e entre 300 a 400 e-books. Essa constatação é explicada em parte pelo volume ainda relativamente pequeno das vendas e pelas margens estreitas oferecidas pela Kobo aos varejistas, que é de apenas 5% do preço de venda. Segundo os cálculos da DBW, essas vendas geraram apenas US$ 1.105 (um mil, cento e cinco dólares) de lucro na venda dos aparelhos e US$ 496 (quatrocentos e noventa e seis dólares) na venda de livros eletrônicos. Isso para doze lojas e em seis meses.
Continue lendo INDEPENDENTES DOS EUA APROVAM CONVÊNIO DA ABA COM A KOBO

É POSSÍVEL DESAFIAR A AMAZON?

Captura de Tela 2013-03-12 às 12.12.49
As gigantes do comércio varejista de livros – Amazon, Apple e Kobo (o Google realmente ainda não disse a que veio), tem uma característica comum: todas constituem “ecossistemas” de venda. Em todas existe a facilidade para a compra, dentro do sistema, com a possibilidade imediata de leitura: na Amazon, o Kindle, na Kobo e na Apple, qualquer aparelho capaz de ler o formato ePub. A Apple foi a pioneira nesse tipo de coisas, com o iTunes. Mas, no mundo do livro, quem realmente começou a fazer essa ideia funcionar foi a Amazon. A Barnes & Noble tentou fazer o mesmo com seu Nook, mas só vende livros nos EUA e na Inglaterra, e está enfrentando sérias turbulências financeiras, apesar do apoio da Microsoft.

Todas as três dispõem não apenas de aparelhos de leitura dedicados (Amazon – Kindle e Fire; Apple – iPod, iPas e iPhone; B&N – Nook; e Kobo, sua linha de leitores), além de aplicativos que possibilitam a leitura em muitos outros aparelhos, inclusiva das outras (a exceção é o Kindle, da Amazon, que lê apenas os formatos PDF, TXT e DOC, além do formato proprietário). Outras característica em comum é que todas e construíram, de uma ou outra maneira, uma lista de oferta gigantesca.
Continue lendo É POSSÍVEL DESAFIAR A AMAZON?

ANL e Amazon e digitais. Hora de verdades?


O anúncio da chegada ao Brasil de três grandes operadoras do comércio eletrônico de livros – Amazon, Kobo e Google – coincidiu com a divulgação do “Diagnóstico ANL do setor livreiro 2012”.

Recentemente a entidade dos livreiros havia divulgado uma carta aberta ao mercado – i.e. às editoras – e ao governo, com suas sugestões para o desenvolvimento do mercado de livros digitais no país. Sugestões, não reivindicações, segundo a própria entidade.

O diagnóstico foi encomendado pela ANL junto à GfK, uma multinacional de pesquisa de mercado, que lançou no primeiro semestre deste ano seu serviço de rastreamento online da venda de livros, é concorrente ao BookScan da Nielsen (que diz que se prepara para entrar logo no mercado brasileiro).

O estudo da GfK tem algumas características interessantes. Enviou questionários, que podiam ser respondidos online, por fax ou e-mail e entrevistas por telefone junto a todos universo conhecido pela ANL, que é de 3.403 livrarias. A pesquisa recebeu respostas com informações de 716 lojas, o que equivale a 21% do total, um índice de respostas muito bom. Destas, 152 respostas foram obtidas através da central de redes de lojas, que disponibilizaram dados de suas filiais, e 564 respostas vieram diretamente de livrarias independentes e grandes redes, com um questionário respondido por cada loja, representando um total de 474 diferentes razões sociais.

Os números indicam que algumas ditas grandes redes não responderam ao questionário, e que a maior parte das respostas veio efetivamente das livrarias independentes e redes regionais, que têm uma presença maior junto à entidade.
Essa impressão é corroborada pelo dado divulgado de 62% dos respondentes possuírem apenas uma loja, e que o principal regime tributário é o simples.

Alguns destaques da pesquisa:
Continue lendo ANL e Amazon e digitais. Hora de verdades?

Amazon no Brasil. Perguntas pendentes


A chegada da Amazon – êta parto dolorido que foi esse, coincidente com a venda do Kobo em parceria com a Cultura e a chegada da loja da Google – ainda exige algumas respostas.

Ao entrar no site www.amazon.com.br, se já se for cliente da Amazon, o login é redirecionado para a loja brasileira, com a pergunta se o cliente deseja mudar a localização da conta. Nas explicações, fica claro que as subscrições de revistas serão terminadas, com o reembolso proporcional da assinatura, e que os serviços de música e vídeo não serão oferecidos no Brasil. Até aí, sem novidades, pois mesmo quem tem conta kindle nos EUA só consegue baixar música e vídeo se estiver lá ou usar um proxy. Para Internautas experientes isso é possível, mas o usuário comum está bloqueado de conteúdos específicos.

A loja brasileira tem o mesmo jeitão da matriz, inclusive com “mais vendidos”. Cáspite: como a Amazon já tem “mais vendidos” na estreia?

A Apple também não disponibiliza todos os produtos da iTunes americana na versão brasileira, de modo que isso não é novidade. A justificativa, sempre, é que os contratos de distribuição sempre incluem – ou não – clausulas de territorialidade.

Essa política já me causou problemas com a Amazon. Passei meses usando um celular com Windows 7.5 e o app do kindle não estava disponível para o Brasil, embora estivesse para outros países. Mandei vários e-mails reclamando uma solução para isso, tanto para o Widman aqui no Brasil quanto para Seattle. As respostas – quando as houve – desmentiam essa história da Amazon ser assim tão “consumer centric”. Não me deram bola. Mas, aí por agosto/setembro, o app foi disponibilizado para o Brasil.

No site Amazon.com.br, entretanto, fiquei com algumas dúvidas:

1 – O cartão de crédito será faturado no Brasil ou nos EUA. Isso de dizer que a venda será em reais não significa nada. Quando o cartão é faturado nos EUA, tudo é transformado em US$ e depois cobrado nos eu cartão de crédito brasileiro. Com o acréscimo do IOF. É o caso das compras no iBook da Apple. Carlo Carrenho, do PublishNews, já fez gozação dizendo que a Apple conseguiu reinstaurar a cobrança de impostos na venda de livros no Brasil… É de morrer de rir. A Amazon não esclarece esse ponto.

2 – Também não esclarece o que acontece se o cliente for subscritor do programa Prime, que dá algumas vantagens de frete nos EUA. O Prime continuará vigente? Será cancelado e a diferença reembolsada?

Seguindo sua prática habitual, a Amazon joga oferecendo o Kindle touch básico por R$ 299,00 (com ou sem IOF?), contra o aparelho da Kobo vendido a R$ 399,00. O curioso é que o anúncio fala de “preço sugerido” para o Kindle. O que isso significa, não se sabe, pelo menos por enquanto.

Sem saber os detalhes do faturamento no cartão, fica difícil também comparar os preços de livros vendidos através de ePub(Kobo e similares) e os do ecossistema Amazon.

Bom, já mandei e-mail com minhas perguntas para o suporte da Amazon (e com cópia para o Widman). Vamos ver quando respondem…

Waterstones: os problemas dos ingleses são parecidos com os nossos?

Waterstones é a principal cadeia de livrarias do Reino Unido, fundada em 1981. As lojas (aproximadamente trezentas) estão basicamente localizadas em ruas de comércio, com algumas lojas de grande porte em cidades importantes – alega que a loja londrina de Piccadilly é a maior livraria da Europa – e em universidades. A cadeia é propriedade de um magnata russo, Alexander Mamut, de quem o atual diretor geral, James Daunt, diz que é “um filantropo intelectual” e ao mesmo tempo um oligarca proprietário de iates.

James Daunt, o atual executivo, veio de uma família de diplomatas e era proprietário de uma mini cadeia de livrarias, a Daunt Books, com seis lojas e cuja característica principal é servir a uma clientela rica e sofisticada em alguns dos bairros mais chiques de Londres. Há sei meses foi contratado pelo Mamut para dirigir a grande cadeia e aceitou o desafio sem vender suas lojas.
Continue lendo Waterstones: os problemas dos ingleses são parecidos com os nossos?