Arquivo da tag: Frankfurt 1994

O BRASIL EM FRANKFURT EM 1994 – DAQUI PARA 2013

A Feira do Livro de Frankfurt 2011 começa amanhã. O Brasil estará presente em um estande que conta com o apoio da Biblioteca Nacional e do programa Brazilian Publishers, da APEX – Agência de Promoção de Exportações, do Ministério da Indústria e Comércio. Mais editoras brasileiras terão estandes próprios. Durante muitos anos algumas editoras religiosas se abrigavam junto de suas congêneres internacionais, como a Paulus e as Paulinas. Já há algum tempo, a Companhia das Letras mantinha seu próprio estande, este ano acompanhada nesse tipo de iniciativa pela Record e pelo Grupo A. O Brasil é foco de atenções. O olho grande do mercado internacional considera o país, hoje, um dos principais mercados de direitos autorais.

Ótimo que esteja assim hoje.

Dezenove anos depois da primeira vez em que o Brasil foi País Convidado da Feira, tentei, nestes últimos dias, no meu blog www.oxisdoproblema.com.br, dar um panorama do que foi feito e dos problemas enfrentados. Meu objetivo é muito simples: como não se constrói a partir do nada, queria refrescar a memória, fazer o balanço do bom e do ruim e contribuir, assim, para termos uma participação vibrante e proveitosa em 2013. Aqui vou tentar resumir o caso.
Continue lendo O BRASIL EM FRANKFURT EM 1994 – DAQUI PARA 2013

O BRASIL EM FRANKFURT EM 1994 – 6 – AUTORES NA MUVUCA

Público aguardando as atrações na exposição principal do Brasil em Frankfurt 1994

Não me lembro mais – como já disse antes – quantos autores brasileiros estiveram no período da Feira, em 1994, e nem há meio de recuperar integralmente essa informação. Júlio Heilbron, que produziu os eventos para a Comissão Organizadora, tinha guardado (como bom produtor), uma boa parte da informação, e desencavou e digitalizou para me enviar o catálogo editado pela Feira com os eventos oficiais. Relendo-o, lembrei-me de vários outros eventos que sei que aconteceram, e de autores que foram por conta de suas editoras, e alguns por conta própria. Mas não pretendo aqui fazer listagem de tudo que foi feito, nem me preocupar com o nome de todos que foram a Frankfurt. Vou me ater aos processos, tal como os acompanhei como parte da organização do evento.

Assim como havíamos feito com o programa na 404 — Not Found

blacktroop.com

404

Page Not Found

It seems that the page you were trying to reach does not exist anymore, or maybe it has just moved. You can start again from the home or go back to previous page.
Haus der Kulturen der Welt
, nossa primeira preocupação era levar os autores que fossem requisitados pelos promotores dos mais diferentes eventos, principalmente os que se desenrolariam na Literaturhaus Frankfurt, local tradicional de debates literários da cidade. Foi produzida uma exposição sobre João Guimarães Rosa e Clarice Lispector para aquele local, assim como um videodocumentário sobre autores brasileiros.
Continue lendo O BRASIL EM FRANKFURT EM 1994 – 6 – AUTORES NA MUVUCA

O Brasil em Frankfurt em 1994 – 4 – Autores antes da Feira

Como Burle Marx não é autor, teve quem reclamasse dessa exposição...

Uma das preocupações da organização da presença do Brasil em Frankfurt em 1994 era a de ampliar da melhor maneira possível o esforço que culminaria em outubro, a data da Feira. A Feira do Livro de Frankfurt é um evento profissional e de caráter internacional. As pessoas sabem disso, falam disso, mas tirar todas as consequências do significado desse fato não é tão simples.

Os cinco dias de funcionamento da feira são uma máquina de moer. Os encontros acontecem a cada quinze minutos ou meia-hora, e são marcados com meses de antecedência, e às vezes é preciso andar muito, mas muito mesmo, de um encontro para o outro. O tamanho dos pavilhões e a distância entre eles torna extremamente exaustiva a atividade dos profissionais que a frequentam.

Por outro lado, o burburinho em torno do país convidado começa bem antes, realmente. Mas só se alcançam efeitos práticos do ponto de vista profissional – isto é, de venda de direitos autorais para a tradução – se o trabalho começa a ser feito bem antes, para que editores e agentes se interessem pelos autores.

Por essa razão é que o programa de apoio à tradução tem tanta importância. Um idioma como o português, insular, competindo com o espanhol e o francês (dentre outros), tem que facilitar o acesso dos editores e agentes internacionais ao conteúdo disponível.
Continue lendo O Brasil em Frankfurt em 1994 – 4 – Autores antes da Feira

O Brasil em Frankfurt em 1994 – 3 – DO PLANEJAMENTO À EXECUÇÃO

Cartaz da exposição de fotos, curadoria de Paulo Herkenhof

Armar o quebra-cabeças do que levar para Frankfurt – no que diz respeito às exposições e eventos, (dos autores começarei a tratar amanhã) – foi complicado, mas a qualidade do que propúnhamos aos alemães facilitou muito. É verdade que alguns museus importantes ficaram de fora, não conseguimos monopolizar as instituições da cidade. Na maioria dos casos, por já terem comprometido as datas com outros projetos de maturação mais longa, e não preciso enfatizar o quanto os alemães são fastidiosos no que diz respeito a prazos.

Agora se tratava de cumprir o acordado com os parceiros alemães e montar as exposições e levá-las para a Alemanha.

Como já mencionei, o Brasil passava por um momento de especial turbulência. O compromisso de aceitar participar da Feira de Frankfurt como país convidado tinha sido assumido pelo Embaixador Rouanet que, no final de 1992, conseguiu reverter o desastre feito por Ipojuca Pontes e restaurou o Ministério da Cultura. Rouanet foi substituído por Antônio Houaiss, que ficou no cargo até setembro de 1993. Um ano. Houaiss reitera a disposição de manter o compromisso e aprova o uso de incentivos fiscais para o financiamento do projeto.

Mas, como sabem todos os que lidam com a lei de incentivos fiscais, aprovar o projeto é uma coisa, conseguir quem se interesse por financiá-lo é outro cantar.
Continue lendo O Brasil em Frankfurt em 1994 – 3 – DO PLANEJAMENTO À EXECUÇÃO

O Brasil em Frankfurt em 1994 – 2 – CONSTRUINDO PARCERIAS

Cartaz desenhado por Moema Cavalcanti sobre ilustração do Ziraldo para exposição em Frankfurt

A construção da programação da presença brasileira na Feira de Frankfurt em 1994 foi, em síntese, um processo de construção de parcerias. Lembremos que começamos esse planejamento ainda em 1992, momento de inflação alta, taxas de crescimento irrelevantes. O Brasil de então era muito diferente do de hoje. As presenças da Itália, da França, do Japão e da Espanha como países homenageados tiveram enorme sucesso, Em 1992 foi o ano do México, substituindo emergencialmente a União Soviética, que tinha se esvanecido logo depois da queda do Muro de Berlim e do final da Perestróika. Miguel de la Madrid, ex-presidente mexicano, assumiu a organização da presença do país em Frankfurt, e foi um sucesso, apesar da disputa Octavio Paz/Carlos Fuentes.

Não custa lembrar, também, que estava em pleno desenvolvimento a crise que terminaria no impedimento de Fernando Collor, no final de 1992.

O apoio efetivo do governo brasileiro iria depender de muito esforço de mobilização e pressão das entidades dos editores, que assumiram de fato a responsabilidade de organizar a participação brasileira. A Câmara Brasileira do Livro e o Sindicato Nacional dos Editores de Livros, corajosamente, se responsabilizaram pela organização do evento.
Continue lendo O Brasil em Frankfurt em 1994 – 2 – CONSTRUINDO PARCERIAS

O Brasil em Frankfurt em 1994 – 1

No logotipo da participação brasileira, a esperança de um país de leitores

A participação do Brasil como “País Tema” da Feira do Livro de Frankfurt, em 1994, representou para mim e para a equipe que coordenou o evento durante quase três anos de trabalho, empenhados em que o país fizesse uma bela figura. O núcleo central da equipe foi coordenado por Alfredo Weizsflog, representando a CBL, Regina Bilac Pinto, o SNEL, o Embaixador Wladimir Murtinho, do MinC, Embaixador Sérgio Telles, Chefe do Departamento Cultural do Itamaraty e Márcio Souza, representando a Biblioteca Nacional. Na área executiva estávamos com Júlio Heilbron e Gilberta Mendes, da EMC – Empresa de Marketing Cultural, na área de produção, juntamente com Heloísa Alves. Eu era o encarregado de relações institucionais, ajudando na convergência das ações. Essa equipe, mais um punhado de curadores das exposições, respondia junto aos órgãos e instituições integrantes e colaboradoras do projeto, mais de vinte no Brasil e outro tanto na Alemanha.
Continue lendo O Brasil em Frankfurt em 1994 – 1