LER PARA OS FILHOS – PESQUISA NOS EUA MOSTRA SUA IMPORTÂNCIA

Ler em voz alta para os filhos é uma tradição notada principalmente em famílias de leitores. Em 2014, a Academia Americana de Pediatras publicou um guia encorajando os pais a lerem para seus filhos, começando no nascimento, afirmando que isso reforça a ligação entre pais e filhos e prepara o cérebro dos bebês para a linguagem e habilidades de leitura e escrita.

Essa percepção vem sendo cada vez mais incluída nas pesquisas sobre hábitos de leitura, geralmente sob a forma de pergunta sobre “quem influencia ou influenciou mais o gosto pela leitura”, com as mães aparecendo geralmente em primeiro lugar. A última edição da pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, de 2015, apresenta os dados relacionados com a amostra brasileira nas paginas 76 e 78 do relatório divulgando pelo Instituto Pró-Livro (http://prolivro.org.br/home/confirme ). A Scholastic, editora dos EUA especializada e livros para crianças e jovens, divulgou o relatório de sua pesquisa anual (feita desde 2014), “KIDS & FAMILY READING REPORT – THE RISE OF READ-ALOUD” (Relatório da Leitura de Crianças e a Família – O Crescimento do Ler em Voz Alta). O relatório pode ser baixado aqui.  É a sétima pesquisa desse tipo feita pela editora, que publicou as séries Harry Potter e Capitão Cueca nos EUA, entre muitos outros títulos.

Como indica o título da pesquisa, constatou-se que a leitura em voz alta dos pais vem aumentando de forma consistente, particularmente em relação à precocidade do momento em que isso começa. A pesquisa é por amostragem, considerando a idade das crianças, característica socioculturais e o que aparece com frequência nos estudos desse gênero nos EUA, as características étnicas. Os dados não foram desglosados por níveis de renda, mas o relatório informa que os dados mostram disparidade entre os lares de renda mais alta e mais baixa, sendo que estas leem em voz alta para os filhos com menos frequência. Nas famílias com renda de menos de 35.000 dólares, o índice de leitura em voz alta é de 39%, contra 62% nas famílias com renda acima de 100.000 dólares. As famílias de renda mais baixa também recebem menos informações sobre a importância da leitura em voz alta.

Idade das crianças quando as famílias começam a ler em voz alta para elas.

O relatório considerou também o nível educacional dos pais, mas a versão divulgada (certamente mais sintética que a entregue à Scholastic) não menciona essas diferenças. É certo, porém, que lá como cá, as diferenças de renda e de educação têm seu peso nos hábitos de leitura em geral e, no caso, do número de pais que leem para os filhos.

Vejamos alguns dos dados mais interessantes do relatório.

– A idade do bebê quando os pais começam a ler em voz alta quando o bebê tem menos de três meses está aumentando. Considerando os pais de crianças entre 0 e 5 anos (77% dos pais), a porcentagem dos que começam a ler para os filhos com menos de três meses de idade aumentou de 30% em 2014 para 43% em 2018.

– O fato dos pais lerem em voz alta na família é vista como altamente positivo. 86% dos pais e 83% das crianças declararam que amaram ou gostaram muito da experiência.

– A experiência de ler em voz alta configura uma parceria interativa entre pais e filhos. As crianças escolhem livros, pais e filhos fazem perguntas entre si, viram as páginas e pontuam a experiência com efeitos sonoros. Apesar de não revelar uma causalidade, notou-se que as crianças na faixa de 6-11 anos são mais ativas nessa participação. Essa interação começa bem cedo, com as crianças tendo oportunidade de escolher os livros.

– A experiência de ler em voz alta não se restringe aos pais lerem para os filhos. Principalmente após a alfabetização, depois dos 6 anos de idade, é grande o número de crianças que leem em voz alta para a família.

– A frequência da leitura em voz alta cai abruptamente quando a criança aprende a ler. Nos primeiros cinco anos de vida das crianças, a maioria dos pais que leem para os filhos o faz diariamente, ou pelo menos de forma rotineira. Os momentos da leitura, entretanto, variam mais, embora a hora de dormir ou da sesta sejam as mais frequentes. Mas os pais leem também a pedido dos filhos, ou quando é necessário que fiquem quietos e até nas salas de espera (de médicos, etc.).

O relatório completo, que é propriedade da Scholastic, deve trazer informações muito mais detalhadas. Certamente são aproveitadas pela editora na definição de suas estratégias de publicação e marketing. O relatório publicado, entretanto, já é bastante estimulante.

A pesquisa, financiada pela Scholastic, foi feita pela YouGov, uma empresa internacional de pesquisas de opinião, fundada no Reino Unido, e que faz trabalhos baseados em entrevistas feitas pela Internet. A metodologia é melhor especificada no relatório.

Será que isso tudo tem a ver com o aumento dos audiobooks?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.