Traduções pAra o inglês – ritmos diferentes nos EUA a na Grã-Bretanha

Existem amplas evidências do predomínio do inglês como idioma prevalente no mundo de hoje. Não apenas em negócios e diplomacia como também, no que nos interessa, como idioma de origem das traduções. Já tratei amplamente do assunto em um post de 2017, “AS DIFICULDADES PARA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA LITERATURA BRASILEIRA” no qual apresentava os últimos dados compilados pelo Index Translationum, da UNESCO, a partir de informações das biblioteca nacionais dos países membros (o índice foi descontinuado).

Os dados apresentados mostravam o inglês disparado como o idioma de origem de 1.265.835 traduções para todos os idiomas (o português estava em 18º. lugar). Mesmo como idioma alvo para traduções de outros idiomas, o inglês ocupava um confortável 4º. Lugar, com 164.505 traduções (precedido pelo alemão, francês e espanhol). Note-se que se fala aí do conjunto de traduções para o conjunto de países que têm esses idiomas como língua corrente. Ou seja, traduções cujo conteúdo ia da literatura às ciências puras, incluindo negócios, autoajuda, livros de culinária, livros escolares e infantis, etc. Em se tratando do inglês, incluíam-se, além dos EUA, a Grã-Bretanha, Canadá, Austrália e vários outros países da África e da Ásia, ex-colônias britânicas.

No caso do inglês notei, com uma breve e não sistemática olhada nos títulos, que boa parte das traduções era de obras de caráter técnico-científico, com uma presença bem pequena de literatura.

Essa ausência das traduções de literatura no mercado de obras gerais nos EUA vem sendo acompanhada há muito por Chad Post, que criou o blog Three Percent a partir da Universidade de Rochester, onde ensina. Muito interessado na divulgação da literatura estrangeira nos EUA, Chad Post vem compilando estatísticas sobre as traduções ali publicadas. O índice de três por cento é o cálculo dele para o número de lançamentos de traduções publicadas anualmente nos EUA.

Alguns dos títulos
traduzidos nos EUA

Até 2016, Chad Post esteve mais otimista sobre o aumento do número de traduções. Este ano, alguns livros tiveram bastante sucesso, como o quarteto de Elena Ferrante. Surgiram também algumas novas editoras centradas na publicação de traduções, juntando-se às conhecidas Dalkey Archive Press e a Open Letters, como a Albertine Press (que tem apoio do governo francês). A última autora brasileira publicada pelo Open Letters foi a Maria José Silveira, com seu romance “A Mãe da Mãe de sua Mãe e suas Filhas” traduzido por Eric Becker, editor da Words Without Borders, o site que publica excertos de traduções.

Os números, entretanto, não corresponderam à expectativa. A série compilada por Chad Post (agora publicados também pela Publishers Weekly) mostra um aumento do número de traduções nos EUA (369 títulos in 2008 até 609 em 2018, com um pico de 666 em 2016). No entanto, os dois anos seguintes mostraram um declínio no número de traduções publicadas:

  2016 2017 2018 VARIAÇÃO 2016-18
FICÇÃO 551 509 495 -10.2%
NÃO FICÇÃO 115 141 114 – 0.08%
TOTAL 666 650 609 – 8.5%

Fonte: Publishers Weekly – Chad Post

O dado isolado mais interessante é que a editora que mais publicou traduções foi o selo da Amazon (AmazonCrossing), seguida por outras editoras independentes publicando a maior parte das traduções. Das grandes, a única significativa foi a Farrar, Straus and Giroux.

NA GRÃ-BRETANHA AS TRADUÇÕES AUMENTAM

A tendência contrária aconteceu na Grã-Bretanha nos últimos anos, incluindo 2018. A Booker Prize Foundation, que organiza o prêmio, encomendou à Nielsen uma pesquisa sobre a publicação de traduções e constatou um crescimento de 5,5% em volume e 4,2% em vendas, que totalizaram US $ 27,2 milhões de dólares. Isso representa um crescimento de mais de 20% nos títulos de ficção em tradução, enquanto a categoria permaneceu praticamente estável no período, configurando um aumento da importância das traduções no mercado britânico.

As dez traduções mais vendidas na Grã-Bretanha

Quando se verifica a porcentagem dos ISBN emitidos para traduções no total de ISBNs emitidos, ano a ano, isso fica evidente:

As informações enviadas pela Booker Prize Foundation apresentam alguns destaques interessantes. O idioma mais traduzido é o francês, mas o sueco e o norueguês aumentaram consideravelmente sua participação nos últimos cinco anos. O único autor cujo idioma de origem é o português e que aparece em destaque entre os mais vendidos continua sendo Paulo Coelho (“O Alquimista”).

Os segmentos que mostraram maior crescimento (dentro da categoria geral de ficção) foram os de autores premiados, crime e ficção científica/fantasia.

Como a Nielsen registra também os totais de vendas e seus sistemas permitem a identificação de categorias de modo mais preciso que a dos dados dos EUA, vale e pena verificar os valores, mais além das porcentagens:

Para além do fato das compilações seguirem metodologias bem distintas, o que percebo, é que a indústria editorial inglesa está mais atenta à diversidade da literatura internacional que a dos EUA, como mostram os gráficos sobre os idiomas de origem das traduções.

As razões? Só um estudo sociológico que está muito além de um pequeno artigo.

Agradeço as informações de Truda Spruyt, da assessoria de comunicações do Booker Prize International.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.