Ingram Lighting Source em Sarjah.

Um passo muito importante na construção de um mercado de livros foi a inauguração na “Cidade do Livro” de Sarjah de uma instalação da Lighting Source, a subsidiária de impressão sob demanda da maior distribuidora de livros dos EUA.

A Lighting Source, pela minha infoirmação que certamente está desatualizada, guarda nos seus servidores mais de trinta milhões de arquivos de livros, de várias editoras, não apenas dos EUA, mas do mundo todo, e pode imprimir desde apenas um exemplar até centenas ou milhares de cópias de um livro DEPOIS de sua venda.

Já escrevi sobre a impressão sob demanda aqui e o PublishNews já foi convidado para ir à inauguração da Cidade do Livro em Sarjah, que pretende ser um hub de distribuição de livros no Oriente Médio.

A atual presidente da IPA – International Publishers Association, a Sheica Bodour Al Qasimi (Kalimat Group, United Arab Emirates), e que também foi fundadora da Associação de Editores do Emirato, já esteve várias vezes no Brasil e é extremamente ativa no desenvolvimento do mercado editorial na conturbada região do Oriente Médio.

A newsletter Publishing Perspectives publicou uma extensa matéria no dia 27 de abril, a partir de conversa com o dirigente da Cidade do Livro, Ahmed Al Ameri e com o vice-presidente senior da Ingram, na qual se enfatizou a entrada da Lighting Source com um importante passo para alcançar os objetivos da Cidade do Livro. Leia aqui, em inglês.

RAUL WASSERMANN

Fiz amigos nestas décadas que levo nas costas de envolvimento com o mercado editorial. Muitos conhecidos, colegas de trabalho, e alguns amigos. Categoria na qual não classifico alguém à ligeira. Pessoas com as quais se pode contar e que se respeita.

Hoje perdi um deles. Depois de quinze anos batalhando contra um câncer, uma leucemia galopante levou Raul Wassermann.

Raul foi um grande editor. Quando fundou a Summus, abriu uma editora eclética com publicações em várias áreas. Ainda tenho hoje um exemplar do “Alice no País das Maravilhas” editada por ele. Tive também uma coletânea de cinco contos que retrabalhavam “A Missa do Galo”, do Machado de Assis. Um dos contos foi escrito pela Lygia Fagundes Telles. Esse se perdeu em alguma mudança (ou empréstimo, quem sabe…).   Mais tarde a Summus focou muito em publicações nas áreas de psicologia, embora o desejo do Raul de explorar outras áreas nunca tenha cedido. Criou selos temáticos, como o Selo Negro e Edições GLS, foi dos primeiros a se propor editar de forma extensa e aprofundada livros sobre as questões de raça e gênero. Outros selos publicavam mais extensamente sobre áreas específicas do fazer terapêutico. Publicou também livros sobre cinema (foi um cinéfilo militante e algumas das primeiras publicações sobre formatos hoje em desuso, como Super 8, foram editadas pela Summus), gastronomia (quatro livros escritos por José Albano Amarante – “Segredos do Vinho para Iniciantes e Iniciados”, “Segredos do Gim”, “Queijos do Brasil e do Mundo para Iniciantes e Apreciadores” e “Vinhos do Brasil e do Mundo para Conhecer e Beber”) estão entre os melhores escritos por autores brasileiros sobre o tema. A “Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana” do Nei Lopes é um trabalho pioneiro e extenso sobre a presença africana no Brasil, e “A África na Sala de Aula”, da Leila Hernández, é uma resposta integrada à iniciativa de ensino da História da África no currículo das escolas brasileiras.

A lista é extensa, e os livros estão aí como testemunho de uma visão editorial ampla, diversificada e respeitosa da intelectualidade brasileira e internacional.

Uma das áreas mais notáveis de atuação do Raul foi como dirigente da Câmara Brasileira do Livro, quando demonstrou uma visão moderna e abrangente dos problemas e questões do mercado editorial brasileiro, da defesa do direito autoral e da busca de soluções para que fosse ampliado o acesso ao livro em nosso país. Raul Wassermann compreendia – e agia de acordo – que a questão da leitura não se resumia às questões do preço dos livros e dos problemas de distribuição, gravíssimos por si só. Tinha uma visão clara de que o acesso aos livros por parte da população era fundamental. Para isso as bibliotecas públicas eram fundamentais, já que acesso não é sinônimo de compra. Tinha uma visão clara de que as feiras regionais, menores e mais dinâmicas que as Bienais, poderiam e teriam que ter um papel de destaque. O apoio da CBL à Feira de Ribeirão Preto e, depois, a iniciativa do Circuito Paulista do Livro (com o apoio da Imprensa Oficial, na época presidida pelo Sérgio Kobayashi) deram dinamismo ao uso de “cheques-livros” para estudantes e professores, abriram espaço para editoras locais e autores.

Outra área de atuação do Raul Wassermann que foi, e é, de imensa importância na defesa dos direitos autorais no Brasil foi a primeira iniciativa de organizar sistemas de licenciamento de trechos de obras. Hoje é coisa do passado, mas a praga do xerox nas “pastas dos professores” nas universidades era algo terrível. As péssimas bibliotecas universitárias, defasadas e com acervo reduzido, não tinham os livros necessários para os estudantes. Os professores então emprestavam seus livros para que fossem feitas cópias reprográficas de capítulos. E cada faculdade e universidade tinha sua biboca xeroqueira (a Xerox odiava a apropriação da marca para isso), um dreno de recursos dos livreiros e editores. E quantos alunos se graduavam sem nunca haver lido um livro completo? Só os pedaços das tais pastas.

Produção e vendas de livros. Perguntas – mais que reflexões – sobre a pesquisa

Vale a pena lembrar que a pesquisa de Produção e Vendas do Mercado Editorial nasceu de uma reunião de técnicos em informações e produções de dados estatísticos, organizada pelo CERLALC e feita na Bienal do Livro de S. Paulo de 1990. A iniciativa de propor a reunião no contexto da Bienal foi do Alfredo Weiszflog, ex-presidente da CBL e diretor da entidade na época. Para a reunião vieram colegas de vários países da América Latina, além do secretário geral do CERLALC na época (o nome me escapa) e um representante do Census Bureau dos EUA.

               Antes mesmo da reunião, Alfredo já havia me convocado para participar da equipe de dois (ele e eu), que deveria pensar modos de recolher informações do mercado editorial brasileira. Já havia consenso majoritário na diretoria da CBL (não unanimidade) de que informações confiáveis sobre o mercado eram componente essencial para duas áreas, além de acabar com o chutômetro até então imperante: 1) para detectar tendências; 2) para ter força em negociações com governo, outras entidades e o público em geral, mostrando o tamanho e a importância do mercado editorial.

               Foi uma trajetória longa que se iniciou ali, e bem que mal completa este ano sua trigésima edição. A CBL montou uma “Comissão de Pesquisa”, entre representantes de seus associados, que supervisionava e discutia perspectivas e resultados. Até quando permaneci na CBL, em 2002, a participação e interesse dos membros da Comissão de Pesquisa era intensa, e desde o início, dentre outros princípios, foi decidido que os dados seriam divulgados mesmo que apresentassem números desfavoráveis ao mercado. Era uma época também quando listas de bestsellers, divulgação do número de tiragens pelos editores, quantidade de pessoas presentes nas feiras e bienais costumava ser fantasmagórica. Tudo aumentava…

Desde o início da pesquisa havia a preparação de um relatório de divulgação para a imprensa e o público em geral, mas havia também um relatório bem mais detalhado dos dados, que era enviado aos sócios. Como não sou sócio nem da CBL nem do SNEL, há anos que não leio o relatório completo, que suponho continue sendo produzido.

               Assim, com base no divulgado e na apresentação feita hoje, meus pitacos (dúvidas e aplausos).

A coordenadora informou que a amostragem incluiu “61%” do mercado. Mais adiante qualificou o assunto explicitou que os livros digitais não entraram, e que estão sendo objeto de outra pesquisa.

               Mas eu me pergunto: como se chegou a essa porcentagem da amostra?

Explico. As empresas participantes são divididas em categorias pelo faturamento: grandes, médias, pequenas, além do setor ou subsetor. Para projetar a produção total e o faturamento, uma amostra que inclua, por exemplo, 90% das didáticas (bem possível), mais um tanto das grandes de livros em geral, é mais que suficiente. As editoras pequenas pouco contribuem para o cálculo do volume de produção, e isso pode ser projetado. Entretanto, as editoras pequenas e médias têm um papel importante para a detectar a bibliodiversidade da produção editorial. Autores novos (nacionais e estrangeiros), ou pouco conhecidos (mas de reconhecida qualidade) e eventualmente de prestígio (mas poucas vendas) são publicados principalmente pelas pequenas e médias, que arriscam mais, seja por princípio, seja por necessidade (os adiantamentos são menores, é claro).

Assim, dizer que a amostra abarca 61% do mercado suscita a pergunta: de produção de exemplares ou de títulos? Qual a diversidade e abrangência dos temas editados no Brasil? Pode-se desenhar uma tendência a partir da série histórica? A estrutura da amostra é crucial para se entender isso. Anteriormente os temas eram listados a partir de uma tabela do ISBN, simplificada. Provavelmente hoje seja mais fácil ampliar isso com outros códigos de metadados.

Pode ser que essa informação esteja no relatório completo. Quem só acompanha a divulgação está manco.

Preço médio. Logo no começo, a Mariana Bueno reconheceu que são muitos os fatores que condicionam o que se poderia chamar de preço médio: tamanho, acabamento, número de páginas. Certíssimo.

Mas, logo adiante, revelou: o cálculo é feito simplesmente pela divisão do faturamento – líquido, é claro – pela quantidade de exemplares vendidos. Assim, um livro para crianças que custe R$ 20,00 é somado com os livros CTP que podem custar mais de R$ 100,00. Qual a média disso? Sem mencionar como se descobre o desconto médio…

O Marcos da Veiga Pereira mencionou um fato real, e que a maioria dos livros tem o preço (de capa) fixado hoje por razões mercadológicas em categorias (geralmente com os famosos 90 centavos finais, porque não sei quem décadas atrás descobriu que era mais fácil vender qualquer coisa sem o número redondo…). E essa definição de preços está, em grande medida, influenciada por formatos. As editoras não informariam, qual o preço de capa de cada livro, mas se quisermos mesmo usar esse conceito de preço médio, dessa maneira é que não se chega a nada significativo. Já discuti esse assunto em 2011, e remeto para o post. O que não dá é somar o peso de laranja, mamão, morango e melancia e dividir pelo total das frutas para achar um ficcional e inútil “peso médio” da frutaria. Há que imaginar outras maneiras.

Além desse ponto dos formatos, o faturamento é influenciado também pelos diferentes níveis de desconto. As grandes redes têm mais poder de barganha e, portanto, descontos maiores. Há uma espécie de subproblema embutido nisso: para ter sua remuneração mínima, a editora deve calcular o preço considerando principalmente o maior nível de descontos para que o recebido por cada exemplar possa efetivamente recuperar o investimento, os direitos autorais e a margem da editora (inclusive a rotação do estoque, que é um problema à parte). A consequência: isso influi no preço de capa (que é nominal, mas é a base do pagamento de D.A.s) já que, para maior nível, de descontos maior tem que ser esse preço nominal. Os ingressos das vendas estão sempre em descompasso com as despesas correntes e os investimentos da editora.

 O resultado é que a bicicleta tem sempre que correr e planejar (ou torcer) para os best-sellers ou os livros da moda (felizes anos do pornô-chic dos “50 tons de cinza” e similares e dos livros de desenhar…) compensarem tudo isso.

Mariana Bueno tem toda razão ao afirmar que a metodologia da pesquisa não mudou, todos esses anos. Não mudou no essencial, o que é fundamental para as comparações (e houve uma quebra da série histórica quando se fez uma reavaliação do universo das editoras pesquisadas). Não mudou no essencial, mas foi sendo aperfeiçoada no decorrer doa anos, e acredito (sem ter acesso aos relatórios completos) que possa ser ainda mais.

Um último ponto no que diz respeito aos dados de produção e vendas. Acredito que seja urgente unificar o recolhimento dos dados das vendas de conteúdos digitais, incluindo os audiobooks (ainda poucos por aqui, mas melhor incluí-los enquanto são poucos), para que se tenha uma dimensão mais realista do mercado editorial brasileiro, sua dimensão e seus problemas.

Um aperfeiçoamento positivo, sem dúvida, foi a especificação da porcentagem de livros vendidos nas chamadas livrarias “exclusivamente digitais”. A Nielsen tem os dados de venda direto de algumas dessas livrarias (os magazines digitais como Submarino, Americanas e congêneres), mas depende das informações das editoras para ter os dados da Amazon, que é opaca e só divulga os dados de venda diretamente aos fornecedores. Só que a Amazon também vende de outras pequenas editoras, autores independentes e pelo KDP. Mas esse é um problema geral da varejista, que vem sendo enfrentado de várias maneiras no exterior.

Marcos da Veiga Pereira fez uma observação muito pertinente: os livros digitais não criam leitores, crescem na medida em que já exista uma grande base de leitores. Mas colocaria um pouco de sal nessa observação. Considerando os problemas de logística que enfrentamos (um livro pode levar um mês pelo correio para chegar no interior do Amazonas, por exemplo), explorar a potencialidade de entrega do livro digital é importante. O mesmo vale para os milhões de brasileiros que vivem no exterior. Possivelmente o índice de leitores entre eles seja ainda menor que o da população geral, mas nunca é desprezível.

A pesquisa detectou um ainda pequeno, mas significativo, sinal de recuperação das vendas das editoras em 2018. Foi o ano em que estourou de vez as crises da Saraiva e da Cultura, de modo que essa recuperação de fato revela uma resiliência do mercado editorial em diversificar os canais de venda. Mariana Bueno atribui a recuperação do valor total de faturamento a uma recuperação dos preços “médio”. Recuperação, de fato, houve. Duas interrogações ficam para este ano: foi o tal “preço médio” ou a diversificação? E será que essa recuperação deu fôlego suficiente para enfrentar a pandemia? Pelas informações jornalísticas mais recentes, inclusive o número de demissões, isso provoca dúvidas.

Só que esses problemas fogem da questão dos dados e do recolhimento de informações. Mas sempre tenho em mente um dos lemas que ouvi de um distribuidor de porta-a-porta: vamos buscar e entregar o livro donde quer que o cliente esteja…

BUÑUEL – EM FILMES E LIVROS

O Petra Belas Artes irá apresentar uma retrospectiva de filmes do grande Luis Buñuel. Todos devem ser assistidos.

Além de assistir os filmes, podem ler também um romance inspirado pelo grande anarco-surrealista espanhol: O FANTASMA DE LUÍS BUÑUEL, de Maria José Silveira.

O romance parte de uma confissão do Buñuel em sua autobiografia (escrita pelo Carrière…). Diz ele, já no final, que não se importa em morrer, mas que gostaria de, a cada dez anos, sair do túmulo, i até a banca de jornais mais próxima para tomar conhecimento de como andava a miséria do mundo.

Comprar aqui em papel: https://loja.umlivro.com.br/editoras/z/zlf e na Amazon em e-book.

Pois bem, um grupo de cinco alunos da Universidade de Brasília, em 1968, amavam a Revolução e o cinema de Buñuel. Assim, o romance se estrutura em torno dos encontros dessem jovens, a cada dez anos, que narram, expõem seus dilemas e desentranham suas vidas nos dez anos passados. Até que, em um final buñuelesco, tudo explode no final, como em seu último filme.

E aproveitem para comprar e ler também o último romance da autora, “Maria Altamira”, que narra duas tragédias na natureza. A primeira, “natural”, começa com um terremoto que destruiu uma cidade de 22.000 habitantes noa Andes Peruanos; a segunda, provocada pelos humanos, que ameaça destruir o Xingu com a construção da Usina de Belo Monte.

E mais…

“Pauliceia de Mil Dentes”, um “romance de multidão” sobre a metrópole.

“Felizes Poucos” – coletânea de contos sobre a militância contra a ditadura.

“A Mãe da Mãe de Sua Mãe e Suas Filhas”, a saga de uma genealogia feminina pela história do Brasil, já traduzida para o inglês, francês e italiano.

ISBN PASSA A SER DE RESPONSABILIDADE DA CBL – BOA NOTÍCIA PARA O MERCADO EDITORIAL

             A CBL anunciou recentemente a assinatura de convênio com a Fundação Biblioteca Nacional e a Agência Internacional do ISBN, para assumir o papel de Agência Nacional do ISBN – International Standard Boook Number, o identificador unívoco de cada edição comercial de livros.

             O que deveria ser visto e entendido como um aperfeiçoamento do processo de comercialização de livros – pois é disso que trata o ISBN – foi entendido por alguns como uma “perda financeira” para a FBN, que teria abdicado de uma fonte importante de renda para seu funcionamento.

             Devo dizer que há anos, quando trabalhei na CBL (entre o final dos anos 1980 e 2002), sempre defendi e busquei achar modo de que a CBL (ou o SNEL, ou uma associação entre as duas entidades) passasse a ser a Agência Nacional do ISBN, o que sempre foi recusado, inclusive com a justificativa dos ganhos financeiros que a emissão do registro proporcionava.

             A questão de fundo, porém, nunca foi exatamente essa. A posição dos então dirigentes da FBN se encorava, no meu entender, em um equívoco básico. Percebiam o ISBN como um instrumento anexo à catalogação e ao depósito legal. Ou seja, como informação bibliográfica. Como responsáveis legais pela publicação do catálogo bibliográfico – o que não é feito há décadas, aliás – e pelo depósito legal, consideravam o ISBN, no fundo, como um suplemento para suprir as deficiências na execução dessas duas funções. Infelizmente existem editoras (de vários portes, aliás) que não cumprem a exigência do Depósito Legal, e ainda assim, pelo que transpira, a catalogação dos livros recebidos esteve muitas vezes em descompasso com os livros amontoados sem catalogação e registro. Do mesmo modo, o repasse de informações sobre o acervo bibliográfico para instituições internacionais esteve quase sempre em atraso.

             Um dos fatos que testemunhei foi o atraso no envio de informações sobre obras traduzidas para o português, que deveriam ser anualmente enviadas à UNESCO, para consolidação do Index Translationum. Em 2015, quando estive em Paris para o Salon du Livre e pretendia visitar a UNESCO, verifiquei que o envio de informações pela BN estava atrasado vários anos, e pedi que atualizassem os dados, o que fizeram. Infelizmente a UNESCO, em crise financeira, descontinuou esse projeto que ocupava três pessoas e era um inestimável mapa do movimento internacional de traduções.

             Mas esses são detalhes.

             Para chegar às raízes do ISBN, vale um pouco de história, inclusive de como a BN virou Agência Brasileira do ISBN.

             Há décadas se constatava um problema radicado basicamente no comércio de livros. A identificação unívoca de uma determinada edição se tornava cada vez problemática. Cada editora, importadora, distribuidora e livraria usava códigos próprios, totalmente arbitrários, para identificar os livros em seus estoques ou de sua edição. Em 1965, um grupo de livreiros e distribuidores da Grã-Bretanha, liderados pela rede WHSmith encomendou a elaboração de um sistema comum. O professor de estatística Gordon Foster bolou então um sistema de nove dígitos, o SBN – Standard Book Number que, no ano seguinte, evoluiu para ISBN por iniciativa do editor, importador e distribuidor David Whitaker, o “pai do ISBN”. No ano seguinte a R.R. Bowker, dos EUA, adotou o sistema. Em 1970, a International Standard Organization (ISO), também adotou o sistema e organizou a Agência Internacional do ISBN (assumida pela Alemanha), que passou a atribuir os prefixos para as Agências Nacionais. Em 2007 o ISBN passou a ter 13 dígitos para se adaptar à estrutura do código de barras da AEAN.

             A difusão do ISBN, impulsionada pelos mercados do EUA e da Grã-Bretanha, se expandiu de forma rápida pela Europa, mas demorou muito a ser adotada nos demais continentes. No final dos anos 1970, o CERLALC – Centro Regional para o Livro na América Latina e Caribe -, órgão da UNESCO, tomou a iniciativa da difusão e usou como tática convencer as bibliotecas nacionais dos respectivos países a se tornarem Agências Nacionais.

             Foi assim que, de iniciativa nascida e destinada ao âmbito da comercialização de livros o ISBN acabou parando nas mãos da BN no Brasil e em outras bibliotecas nacionais dos países da região.

             O ISBN, como identificador das edições comerciais é atribuído a cada edição e variação de um título (salvo reimpressões). Assim, edições de capa dura, capa mole, livros de bolso, edições eletrônicas, etc, recebem diferentes ISBNs.

ENTRAM OS METADADOS

Os livros têm outras informações que facilitam sua identificação, como o título, o nome do autor e os dados da catalogação feitos pelas bibliotecas nacionais. Mas o conceito de Metadado, que se desenvolve com mais vigor a partir da ampliação do comércio eletrônico, sistematiza e amplia os processos de identificação e busca dos livros em um número que cresce geometricamente, inclusive com o surgimento e crescimento das auto publicações. É o caso dos códigos BISAC e os padrões de identificação estabelecidos com o ONIX e, mais recentemente, com o THEMA.

             A integração desses dados – que dependem, aliás, dos editores entenderem sua importância e desenvolverem identificadores amplos e corretos – sempre foi e continua sendo um empreendimento diretamente vinculado ao COMÉRCIO de livros. Preso dentro de uma estrutura burocrática como a da Biblioteca Nacional, sempre foi difícil ter a agilidade necessária para que essas informações prestem serviços a editores, livreiros e, em última instância, aos leitores.

             Isso tudo tem custo, e não é pequeno. Dizer que a BN perdeu “x” milhões de reais é uma falácia. Aliás, muito comum quando se fala em orçamentos e gastos de órgãos públicos. O “bolso” da entrada é considerado e se esquecem dos vários “bolsos” de saída, que vão desde os salários até os sistemas, passando pelas atualizações tecnológicas, protocolos de integração, etc. Com dizer que a BN até hoje não tem sistemas que permitam o diálogo da catalogação com outras bibliotecas, nacionais e universitárias, que possibilitem sistemas de catalogação cooperativa é uma boa síntese do problema.

             Por isso mesmo, a transferência das responsabilidades do ISBN para a CBL e para o braço operacional Metabooks é uma excelente notícia para editores, livreiros, distribuidores e leitores e também para a BN, quer deixa de estar obrigada a uma tarefa que não era a sua. Esperemos que cumpram essa expectativa. E que, em algum momento, a administração pública proporcione não apenas à Biblioteca Nacional como aos demais órgãos da cultura em nosso país os recursos para que cumpram com as respectivas missões. O que, diante da política de desmonte, terraplanismo, ignorância e obscurantismo que estamos sofrendo, vai depender de muito esforço de todos os setores culturais.

Já tratei desse tipo de questões várias vezes aqui neste blog. Para ilustram, os links de dois posts aqui e aqui . Além de outros posts sobre metadados em geral.

BOLÍVIA, COMEÇANDO A ENTENDER AS VITÓRIAS, OS ERROS E A DERROTA (PELO MENOS TÁTICA)

https://rodrigomontoya.lamula.pe/2019/11/19/para-tratar-de-entender-el-drama-boliviano-i/rodrigomontoyar/

Rodrigo Montoya é um dos mais importantes antropólogos peruanos. Mais que isso, é um pensados, à esquerda, que procura unir a tradições indígenas andinas e da Amazônia à luta pela democracia e pelo socialismo.

Tivemos, eu e a Maria José Slveira, a grande oportunidade de estudar Antropologia na Universidad Nacional Mayor de San Marcos – a mais antiga das Américas – entre 1976 e 1979. E mais, a pesquisa que fizemos sob orientação do Rodrigo Montoya em Puquio, no Departamento de Andahuaylas, se transformou e um livro publicado pela editora Mosca Azul, em Lima, assinado pelos três.

Desde o momento do golpe boliviano entrei em contato com Rodrigo Montoya para saber da sua interpretação dos fatos e as perspectivas que se abriam (ou fechavam), para o povo boliviano.

Logo depois do golpe boliviano publiquei também um post no FB, reproduzindo um pequeno trecho do romance “Com esse Ódio e com Esse Amor”, da maria José Silveira, que transcrevo aqui novamente:

LOS AYMARA
No romance “Com esse ódio e esse amor”, Maria José Silveira conta uma história dupla. Uma engenheira brasileira viaja para a Colômbia para trabalhar na construção de uma ponte e acaba prisioneira das FARC. A história paralela é o roteiro de um filme que conta a rebelião de Túpac Amaru, a grande revolta dos povos andinos contra a dominação espanhola, ainda no Século XVIII.
Na região que hoje está na Bolívia, a rebelião é liderada por Tupac Catari, que tem uma irmã, Gregória, conhecida como La Carnicera.
Um trecho do romance:
“Naquele momento único em que se dão conta que venceram, que os inimigos fugiram ou tombaram, o momento esfuziante em que a euforia da adrenalina dá lugar à sensação e um alívio extraordinário e ao cansaço extenuante da luta vencida contra a morte. Andrés, em seu cavalo, passa lento entre os mortos. É então que vê Gregória caminhando por cima dos corpos estendidos no chão, pisando-os, uma figura como que possessa, chicoteando de um lado para o outro. O ziiip de seu chicote andino fustiga o ar e os corpos tombados entre a lama, os restos, o sangue.
Andrés pula de seu cavalo e segura seu pulso no alto:
– Basta! Eles estão mortos.
Gregória se vira para avançar sobre quem teve a ousadia de deter sua mão. Ao ver quem é, vacila. A força de Andrés controle seu pulso; com um arranco, ela o solta e se afasta.
– Agora entendo por que os espanhóis te chamam de Carniceira – ele diz.
Ela vira para ele os olhos incendiados, para e cospe no corpo morto do realista a seu lado.”
São os Aymara. Para vocês sentirem como pode ser a reação dos que descem do El Alto para La Paz, onde a usurpadora disse que eles não cabem.

Espero que lhes seja útil como informação e reflexão sobre os acontecimentos na Bolívia.

BOLSAS DE TRADUÇÃO COLOMBIANAS

A Colômbia publicou anúncio na Publishing Perspectives convocando interessados em se candidatar a bolsas de apoio à tradução de autores colombianos.

O programa é administrado conjuntamente pelo Ministério da Cultura (lá continua existindo), através de seu “Grupo de Emprendimento”, a Biblioteca Nacional e a Câmara Colombiana do Livro. O anúncio não especifica o quanto será outorgado para a tradução de cada livro.

Uma novidade não muito comum em programas de apoio à tradução é a seleção prévia dos títulos que serão apoiados. Foram selecionados 50 títulos, feita por uma comissão es de especialistas, entre 240 títulos apresentados por mais de 40 editoras colombianas, que incluiu desde grandes casas, como PenguinRandomHouse Colombia, Panamericana e Planeta a editoras menores.

Segundo o anúncio, a primeira edição do programa, em 2018, distribuiu doze bolsas para apoiar a tradução em seis idiomas nos mercados do Canadá, Dinamarca, Egito, Estados Unidos e Turquia. Para esta segunda edição não foi especificada q quantidade de bolsas disponíveis e o edital também não especifica idiomas alvos específicos.

O programa de apoio à tradução de livros brasileiros continua ativo na Biblioteca Nacional, com verba cada vez menor, e não seleciona antecipadamente os títulos que serão apoiados.

UMA BIBLIOTECA NO MUSEU NACIONAL

A tragédia (uma de tantas, infelizmente), completa um ano.

Na segunda-feira, dia 2 de setembro, completa um ano do incêndio do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista. Já muito se comentou sobre a perda de coleções, incluindo aí os frágeis artefatos de arte plumária. E o esforço para recuperação do que sobreviveu às chamas está sendo feito com muito rigor e dedicação pela equipe do Museu e funcionários da empresa encarregada de limpar o sítio e criar as condições para o restauro do prédio.

Pouco se tem dito, porém, de outro tipo de perda fundamental: a das bibliotecas instaladas no Museu Nacional. A Biblioteca Histórica e o Centro de Línguas Indígenas foram destruídas. E destaco a perda da Biblioteca Francisca Keller, do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, e do material de pesquisa acumulado nas salas dos professores. Ressalto, particularmente, os espaços ocupados pelo NuAP – Núcleo de Antropologia Política.

Fui aluno do PPGAS no final da década de 70 e começo dos anos 80. Lá fiz meu mestrado, orientado por Afrânio Garcia, e participei de várias atividades do que então era informalmente uma espécie de núcleo de estudos de economia camponesa, coordenado pelo Moacir Palmeira, com a participação da Lygia Sigaud e dos já doutore e professores do PPGAS – Afrânio Garcia, José Sérgio Leite Lopes, Beatriz Herédia, Rosilene Alvim e outros mestres em Antropologia Social que já desenvolviam atividades profissionais fora do MN. Outros grupos também desenvolviam linhas de pesquisa em várias áreas. Otávio Velho também estudava sociedades camponesas; João Pacheco, sociedades indígenas. Roberto da Matta, Luiz de Castro Farias e muitos outros integraram o grupo discente do PPGAS e fiz cursos com vários deles.

Na época, os cursos do PPGAS se estruturavam principalmente como seminários temáticos, com uma severa carga de leitura e participação nas discussões. As leituras eram muito variadas, desde os clássicos da Antropologia Social até pesquisas recém terminadas, além de textos ainda não publicados de professores e colegas antropólogos.

Esse regime de estudos impunha o uso extensivo e intensivo da Biblioteca do PPGAS, naqueles anos ainda relativamente modesta (e, ouso dizer, com muitas cópias reprográficas de textos inacessíveis), mas muito significativa na área. Foi crescendo, e antes do incêndio já contava com mais de 37.000 itens. Os cursos realmente exigiam uma carga intensa de leituras. Embora não houvesse uma cobrança explícita, coitado de quem era alvo de um dos olhares da Lygia Sigaud, por exemplo, quando percebia que alguém não havia lido – e refletido a respeito – do texto em discussão.

A vida nos levou – a mim e à Maria José Silveira, que fez o Mestrado em Ciências Políticas na USP e vários cursos no PPGAS – para outros caminhos. Mas a ligação com o Museu Nacional, por tão profunda, marcou a ambos. Quando vou ao Rio de Janeiro, procuro meios de encontrar antigos colegas e professores. Fui até membro de uma banca de mestrado, convidado pelo Moacir Palmeira, na discussão da dissertação de uma aluna peruana que trabalhou sobre o movimento sindical camponês daquele país. Quando exilados – por conta da ditadura que, segundo o sujeito que está lá no Planalto, nunca existiu – havíamos feito a graduação em Antropologia Social na Universidad Nacional Mayor de San Marcos. Fizemos um estudo em comunidades andina e fomos coautores, com o prof. Rodrigo Montoya, do livro com a pesquisa em uma dessas comunidades.

O espaço do NuAP, em um rincão do terceiro andar, era cheio de arquivos com materiais de pesquisa – cadernos de campo, fotografias, gravações, textos em andamento – tudo, enfim, que resultava de um trabalho cientifico, coletivo e individual, do mais alto nível, com diversas publicações, livros, coletâneas e artigos nas revistas especializadas.

Confesso que, quando aluno, ao passar pelas salas de exibição e às vezes vagar pelo Museu Nacional, sempre ficava receoso ao constatar a precariedade das instalações, principalmente em relação a incêndios. Os alunos sabiam das demandas constantes, de todas as áreas do Museu, por recursos para reforma e manutenção das instalações, assim como do teto e de outros aspectos da edificação, visivelmente deterioradas. Com as janelas fechadas quando não era horário de visita – às vezes tinha uma impressão fantasmagórica, ao passar pelas múmias, pelo esqueleto do dinossauro e outras salas de exposição.

Além da Biblioteca do PPGAS, a Biblioteca principal do MN era um monumento. A enorme coleção de materiais bibliográficos, que incluía relatórios de viagem de naturalistas e outros cientistas que vieram ao Brasil, principalmente na segunda metade do Século XIX, fotografias e documentos cruciais para o estudo do Brasil, estava lá. Com o passar dos anos e o crescimento da coleção, o piso do terceiro andar ameaçava colapsar e, felizmente, uma boa parte da Biblioteca do MN foi transferida para o prédio anexo no Horto. Mas o Arquivo Histórico e o material de estudos de línguas indígenas (CELIN) permaneceram no prédio principal.

Há alguns anos, quando nossa biblioteca particular exigia uma seleção de descarte (brinco sempre que, para quem trabalha na área editorial, livros se reproduzem em ninhadas…), o natural foi selecionar as obras de Antropologia e Ciências Sociais, fazer uma lista e perguntar para a Biblioteca do PPGAS o que lhes interessava. Quase tudo, menos os livros mais comuns, editados no Brasil, dos quais havia várias cópias no acervo. E mandaram uma Kombi que levou várias caixas de livros para o Rio de Janeiro.

Dito seja que sou contra políticas de acervo de bibliotecas que dependem de doações. Já vi muito lixo retirado de casas e deixado na porta de bibliotecas, onde bibliotecários não dispõem nem de luvas e máscaras para manusear e separar o lixo do que ainda pode ser aproveitado. Nossos livros, entretanto, eram – e são – muito bem cuidados, e as eventuais doações geralmente são antecedidas pelo envio de lista, de modo que os responsáveis possam escolher o que desejam. O mesmo já fizemos aqui em S. Paulo algumas vezes com o Sistema Municipal de Bibliotecas Públicas.

A perda desse acervo bibliográfico e documental das bibliotecas do MN não tem sido muito comentada. Alguns podem pensar que, diante da tragédia do incêndio dos artefatos e do prédio, essa seria uma parte secundária.

Só que não é.

As bibliotecas, particularmente as acadêmicas, são vivas. Os livros e documentos são constantemente revisitados, reestudados e reelaborados. Os documentos de campo do Malinowski, um dos pioneiros da Antropologia Cultural, por exemplo, já foram reexaminados tanto para verificação da acuidade dos registros como para rediscussão de métodos de pesquisa e registro, assim como os de muitos outros antropólogos. É também assim que a ciência progride

No caso da Biblioteca do PPGAS, o incêndio do acervo do prof. Luis de Castro Farias, incorporado na Biblioteca do PPGAS, foi uma perda enorme. Castro Farias acompanhou a expedição do Lévi-Strauss no Brasil Central, além de outras empreendidas por sertanistas e antropólogos, e todo o material havia sido doado à biblioteca.

E nem falemos da extensa documentação de viajantes, naturalistas, que faziam parte do Arquivo Histórico.

Logo depois do incêndio ainda pensei que pelo menos parte da documentação de pesquisa do NuAP, guardada em arquivos de aço, pudesse ter sido salva. Essa ilusão foi dissipada em conversa com o prof. Moacir Palmeira. O teto daquele segmento do terceiro andar havia sido parcialmente reformado, com laje (a continuação desse trabalho, aliás, foi interditada pelo IPHAN), mas o piso cedeu no incêndio e tudo aquilo desabou por dois andares, além de ter sido incendiada, possivelmente pelo calor, se não diretamente pelas chamas. Moacir tinha manuscritos e anotações não digitalizadas que estavam em sua mesa para servir em uma reunião de trabalho que aconteceria na terça-feira. Domingo, 2 de setembro de 2018, a tragédia bateu.

Quero destacar também, para os estudiosos e interessados em Antropologia, que o PPGAS edita, desde 2002, uma importante revista com trabalhos de alunos, ex-alunos e pesquisadores, a MANA https://www.revistamana.org/ com conceito 1A do Qualis Capes e indexação no ISI Web of Science. Não é para qualquer um. Aliás, o PPGAS, desde seu o início, recebe a nota máxima na avaliação que a CAPES faz dos programas de pós-graduação.

Dulce Paes de Carvalho, a biblioteca-chefe da BFK, explica que a meta é recompor e ampliar o acervo até alcançar 40.000 exemplares. Já foram recebidos aproximadamente 10.500 livros, com mais 8.000 exemplares a caminho. De todo o mundo. De outras bibliotecas científicas, que enviam duplicatas, editoras acadêmicas e instituições variadas.

Nós mesmo, outra vez, ao mudar de casa, selecionamos tudo o que não tinha um valor emocional ou pessoal, encaixotamos e mandamos para a recuperação do acervo da Biblioteca Francisca Keller, do PPGAS.

É pouquíssimo, comparado com a perda e até mesmo com a quantidade que havíamos enviado antes, mas é a contribuição mínima que pudemos fazer.

A Biblioteca Francisca Keller foi reinstalada no prédio do Horto para onde já havia sido transferida parte da Biblioteca do Museu Nacional. As instalações ainda são provisórias e a equipe se dedica hoje a receber e processar as doações recebidas, além de atender, na medida do possível, às demandas de professores e alunos do PPGAS, altamente prejudicadas, como se pode imaginar. A Biblioteca Francisca Keller estava digitalizando teses e trabalhos anteriores a 2006, ano em que passou a receber esse material em PDF e que estão a salvo, digitalizados. Os anteriores, entretanto, foram em grande parte perdidos no incêndio. A BFK está fazendo um chamamento a fim de recuperar esses trabalhos, anteriores a 2006, com a ajuda de todos os pesquisadores que já passaram pelo Programa, solicitando que enviem os arquivos que não aparecem em texto completo na Base Minerva (banco de dados do sistema de bibliotecas da UFRJ). O PPGAS tem uma página no FaceBook, noticiando as várias campanhas para o reerguimento da Biblioteca. Veja aqui .

O antigo site da Biblioteca Francisca Keller, acessível aqui ainda dá informações sobre as antigas instalações e o acervo da biblioteca.

O novo projeto arquitetônico já foi elaborado por professores e alunos da FAU/UFRJ, que pode ser visto aqui.

O mais importante, entretanto, é que todos podemos ajudar.  Biblioteca Francisca Keller tem aberta uma campanha na Benfeitoria, com meta de arrecadar R$ 129.000,00 para compra de móveis, computadores e outros equipamentos. Já recolheu R$ 105.990,00 até hoje, e as doações podem ser feitas a partir de R$ 20,00. Mas, apressem-se, pois a campanha será encerrada no dia 12 de setembro próximo. Contribua aqui.

O Museu Nacional é um centro de resistência, democracia e ciência. Não pode e não vai morrer.

MAPEADOS DO CONEXÕES RECEBEM PRÊMIO BLAISE CENDRARS

Professora Rita Olivieri-Godet recebu o prêmio Blaise Cendrars da ABRALIC

A Associação Brasileira de Literatura Comparada – ABRALIC, instituiu desde 2016 o “Prêmio Blaise Cendrars”, oferecido a um pesquisador que trabalhe no exterior a literatura brasileira em chave comparada. A ganhadora deste ano foi a professora Rita Olivieri-Godet, da Universidade de Rennes, na França, e mapeada do Conexões Itaú Cultural.

Em sua carta de agradecimento à diretoria da ABRALIC, a prof. Rita Olivieri-Godet lembrou que sua carreira inclui “vinte e quatro anos dedicados ao ensino, à pesquisa e à difusão da literatura brasileira, através de publicações em francês e em português e da organização de colóquios, na França ou em universidades brasileiras e quebequenses, em parceria com colegas. Uma longa travessia que me possibilitou construir muitas pontes e, sobretudo, muitas amizades. Amigos e cúmplices das letras que nos permitem resistir, existir. No momento atual em que as universidades brasileiras sofrem um ataque inusitado por parte do governo, o prêmio Blaise Cendrars, que muito me orgulha, também me confere mais responsabilidade para continuar produzindo e mais legitimidade para me associar à luta em defesa do ensino, da pesquisa e da extensão nas instituições federais brasileiras”.

Os dois primeiros premiados pela ABRALIC com o Blaise Cendrars também são mapeados do Conexões Itaú Cultural. O primeiro agraciado foi o prof. Pierre Rivas, e o segundo o prof. Berthold Zilly.

Blaise Cendrars foi importante poeta franco-suíço da primeira metade do Século XX e teve uma importância singular na literatura brasileira. Visitou o Brasil nos anos 1920, conheceu e ficou muito impressionado com Oswald de Andrade – que reconheceu ter influenciado sua obra posterior. Um dos pontos altos da visita do poeta foi a famosa viagem a Minas Gerais com o trio modernista, Oswald de Andrade, Mário de Andrade e a pintora Tarsila do Amaral, que o acompanharam a algumas das cidades históricas. A valorização da obra do Aleijadinho e do barroco mineiro se consolidou nessa viagem de 1924, a segunda que Mário de Andrade fez a Minas Gerais, que os modernistas apelidaram de “Viagem da Descoberta do Brasil”, dando novo tom à aventura modernista, muito calcada em influências europeias.

O papel de Cendrars foi importante na percepção comparativa da literatura brasileira, e certamente influenciou as obras posteriores dos modernistas acrescentando mais uma camada na percepção da literatura brasileira vis-à-vis a literatura internacional. A influência de Cendrars na literatura brasileira (e vice-versa) foi o tema do discurso de recepção do prêmio proferido pelo prof. Pierre Rivas, seu primeiro ganhador, e também mapeado.

Berthold Zilly, que ganhou o prêmio em 2017, grato e feliz por recebe-lo, destacou a importância em sua formação acadêmica dos seus estudos de literatura brasileira, tanto no tom comparativo como em suas pesquisas tradutórias. Zilly é tradutor de Euclides da Cunha e Raduan Nassar para o alemão, e trabalha em uma nova tradução de Grande Sertão: Veredas.

Publicado originalmente no blog do Conexões Itau Cultural

A COLUNISTA, O SOCIÓLOGO E O CASAL DE LIVREIROS

Luciano Gonçalves e Mariângela Ribeiro, donos de sebo Gregas e Troianas

Na última semana, o abaixo-assinado que conseguiu impedir a ida de Míriam Leitão e Sérgio Abranches a uma feira de livros, uma das mais recentes entre as atitudes chocantes e antidemocráticas dos partidários do indivíduo que ocupa a Presidência da República, chamou atenção da mídia e de quem se importa com o livro e a leitura. Os curadores do evento explicaram detalhadamente como um sujeito que mora na cidade conseguiu assinaturas de mais de três mil pessoas “repudiando” a presença do casal de autores.

O acontecido teve sua repercussão amplificada por serem os dois autores quem são: a colunista do principal veículo porta-voz da orquestração do golpe de 2016 e seu marido, sociólogo, conhecido no âmbito acadêmico, e que, nesse episódio, foi rejeitado explicitamente por ser casado com quem é.

Miriam Leitão nem iria participar de eventos por conta de suas coletâneas de artigos econômicos, e sim por seus livros infantis. Sérgio Abranches, pelo livro que revisa o conceito de “presidencialismo de coalização”, aventado há vários anos.

Independentemente da qualidade dos livros (não os li), certamente pesou no convite a repercussão – que se esperava positiva – da presença da colunista d’O Globo. Deu o contrário.

A tentativa de perturbar o evento com a presença do jornalista Glen Greenwald, em programação paralela à Flip, em Parati, foi outro exemplo dessa intolerância. Felizmente, apesar da perturbação, não conseguiram impedir a mesa e o debate.

A indignação é justa. Qualquer tentativa de sufocar o debate, proibir livros e autores precisa ser veemente combatida.

Qualquer tentativa?

Infelizmente não tem sido assim.

Há pouco mais de um mês um casal de livreiros, vendedores de livros usados em Rezende, no Rio de Janeiro, sofreu uma brutal investida judiciária (como está na moda), do autonomeado bispo Edir Macedo. Luciano Gonçalves e Mariana Ribeiro, donos do sebo Gregos e Troianos estão sendo processados pelo autor-bispo, que pede vultosa indenização – pequena para a riqueza do dono da Record e pastor da Universal, mas potencialmente desastrosa para os livreiros.

A base do processo?

Os donos do sebo haviam colocado um banner na vitrina da loja, convidando racistas, machistas e homofóbicos a entrar, pois ali havia uma casa que prezava a cultura e a inteligência. Era, portanto, um espaço disposto a oferecer ajuda a quem estivesse disposto a se livrar dos preconceitos. O texto do banner também expandia o convite a “pessoas que não consideram a obra de Jair Bolsonaro, Silas Malafaia e Edir Macedo uma vergonha para a humanidade”, como diz o abaixo-assinado que circula em apoio ao casal.

O poster que provocou a ira do bispo…

Edir Macedo sabe muito bem da importância dos livros, e se deu ao trabalho de escrever vários, inclusive extensa autobiografia em três volumes, cada um dos quais entrou nas listas dos mais vendidos no ano do lançamento. Edir Macedo também personagem muito assíduo nas crônicas judiciais do país, como autor e como réu. Os processos em que Edir Macedo se envolve são variados: vão de injúria a charlatanismo e lavagem de dinheiro. Seus seguidores costumam replicar os processos em vários estados, obrigando quem se defende a despender vultosos recursos com advogados e a presença nos variados processos.

O que importa aqui é que esse processo em específico representa um atentado à liberdade de expressão tão grave quanto o veto a Míriam Leitão e Sérgio Abranches, ou as ameaças a Glen Greenwald.

Mas, ao contrário dos dois famosos, os livreiros sofrem com a ocultação do calvário judicial que ameaça seu ganha pão e, sobretudo, ameaça uma livraria.

Mesmo nas lutas contra ações atrabiliárias, o caso dos sebistas Luciano Gonçalves e Mariana Ribeiro mostra a terrível desigualdade que se esconde por trás de alguns combates pela democracia e pela liberdade de expressão.

O manifesto em defesa dos dois livreiros, encabeçado por Haroldo Ceravolo, Aldo Bocchini Neto, Daniel Louzada e outros (eu assinei logo no começo), está com 1.574 assinaturas. É pouco. Vamos mostrar que não apenas os autores famosos contam com a solidariedade do mundo do livro. Assine também aqui.

Políticas públicas para o livro e o mercado editorial